Turquesa Translúcida

Dia 18

Turquesa Translúcida


Estou no roncó das maravilhas: a Cabana de Cura. *1

Me vem um ponto de Xangô. *2

 

Estou em pé.

Vejo um facho de luz que sai do meu corpo.

Vou girando e iluminando toda a cabana com este facho de luz.

Ele sai da altura de meu chacra sacral. Chacra dos relacionamentos.

Ilumina o chão e como que me dá um chão de luz para eu pisar.

 

Agora percebo o raio diagonal de Serafim.

Serafim chegou!

Me saúda e me ilumina com a sua presença.

Começo a sentir calma e paz.

 

Serafim me diz: “Agora fique totalmente presente no momento presente”!

Serafim se cola na minha aura e envolve toda ela.

Formamos um ovo: Serafim é a casca e eu sou o que fica dentro.

Me vem: o ovo da serpente.

Ele faz um movimento espiralado em torno de mim, e sua cabeça, com seu longo cocar branco, se coloca sobre a minha.

Subimos.

 

Ele é uma nave que me leva em seu bojo-ventre.

 

Chegamos em um outro lugar.

Um campo plano com grande horizonte e um sol tépido a brilhar.

Caminhamos. Percebo que estamos num platô muito alto.

Me inclino na beirada e olho para baixo. É muito alto mesmo. Me lembra o Vale Sagrado no Peru.

Serafim me diz que me trouxe aqui porque vamos voar.

Ele ri. “Não como quem despenca, mas como quem flutua”. Ri ainda mais.

 

“Antes, vamos nos sentar aqui e apreciar este lugar”.

Ele abre sua bolsa de couro e tira de lá um pano enrolado.

Dentro deste pano tem alguns frutos.

Sentamos e comemos.

São frutos silvestres. São doces.

 

Aprecio este momento de estar com Serafim, comendo frutos doces, numa paisagem magnífica, com um delicioso sol a nos aquecer.

À medida que sinto isto, percebo que de meu corpo saem raios dourados, longuíssimos, que se perdem naquela paisagem aberta, com horizonte em todas as direções.

 

Serafim me diz que é isto que acontece quando a gente se ama e ama um lugar.

Ama o momento que estamos vivendo.

Ele me diz que estou VENDO o amor. E ri.

 

Sou como um sol, iluminando tudo em todas as direções.

Também para dentro da Terra, os raios de luz que saem do meu corpo, vão.

Sei que vão alimentar o coração da Terra.

 

Serafim me diz que eu posso entrar dentro da Terra por estes raios que a penetram.

“O raio é um caminho”

 

Entro dentro do raio e sigo por ele para dentro da Terra.

Passo pelo salão do Rei e da Rainha e sigo em frente, para dentro e para baixo.

Vou seguindo dentro deste raio-tubo de luz, que é como um túnel escavado dentro da Terra.

Sinto a presença de seres que estão fora do túnel de luz e que me olham.

 

Chego a um grande Salão Xamânico, decorado com pinturas em suas paredes.

Ele é imenso e altíssimo!

Há muitas pessoas. Muitos xamãs estão aqui.

Eles me saúdam. Me recebem.

Somos todos xamãs.

“São xamãs todos os que conseguem chegar até aqui”.

Escuto: “Cada um tem que fazer o seu caminho e estrada. Iluminada pela sua própria luz”.

São xamãs de todas as raças: aborígenes australianos, peruanos, mexicanos, da Sibéria, da África, do Brasil, da Antártida, esquimós…

Todos eles estão aqui.

Aqui partilham seu conhecimento comum.

Uma Sabedoria ou Inteligência Coletiva.

Sabedoria do Xamã!

 

Vejo uma imensa pedra azul, “lapidada”, que ocupa todo o lugar. Estamos dentro dela. Nela.

Ela é de um azul turquesa absolutamente transparente e translúcido.

caverna turquesa 2

Do fundo dela, de dentro da Terra, jorra uma luz dourada que a ilumina por dentro, ilumina o espaço e todos nós.

Que coisa magnífica!

Escuto: “Um xamã pode ir onde quiser em seu corpo de luz”.

Me sinto incomodada com isto! Me parece arrogância!

Serafim está aqui! Diz que um xamã sabe que tem poder. Não tem medo deste poder.

“Medo por que?

É dádiva. É força para ser usada em seu próprio benefício e em benefício de TUDO MAIS.

Na verdade, este poder é conquistado e outorgado somente àqueles que são UM com o TODO”.

Serafim me diz que eu estou aqui para saber que tenho este poder.

“Assim como todos os outros xamãs aqui presentes”!

Há muito tenho este poder, mas não o utilizo, porque tenho medo dele.

Tenho medo do poder Que Eu Sou.

Conter este poder, me traz muito sofrimento.

 

Neste momento, sou colocada no exato centro do cristal turquesa.

“Está em tempo de atualizar este poder nesta vida”.

É o que será feito agora, na força do amor e do reconhecimento desta Irmandade Secreta dos Xamãs do Mundo, à qual pertenço.

Me vejo no centro da pedra turquesa, no meio do jorro de luz, trajada com minha veste cerimonial xamânica e meu cocar branco, que agora já está um pouco mais longo.

 

Vejo a fumaça branca do cachimbo de Serafim penetrando meu coração.

Sei que a força do cachimbo de todos estes xamãs está no cachimbo de Serafim.

Recebo um cachimbo.

O uso também.

É o meu cachimbo.

Fumo este cachimbo e sei que ele contém a presença de todos os seres vivos da Terra.

Fumá-lo é atuar em seu nome.

É usar a força de todas estas vidas que se doam para mim.

“Um xamã pode ir onde quiser porque carrega dentro de si o mundo.

Ama o mundo e é amado por ele”

Me vejo imensa.

Ultrapasso a imensa caverna, para cima e para baixo.

“Este poder de cura do mundo precisa ser usado.

O mundo precisa dele”

Preciso aceitar e usar este poder de cura.

Honrar este poder que eu tenho e sou

Penso: que coisa doente é o ego! Fica querendo dar uma de modesto, mas na verdade, isto é preocupação consigo mesmo. Uma verdadeira inversão!

 

Enquanto penso isto, a luz dourada que ilumina a pedra que contém todos os xamãs, me varre, varre, e ilumina todo este enorme Ser Que Eu Sou.

Serafim:

“Ei xamã!

O mundo é algo muito diverso do que você imaginava!

O mundo é Luz!

 

penas turquesa

Você

Todos nós

Somos guardiões desta Beleza!

Para isto viemos

Para isto Somos

A Terra é sua

Você é parte dela.

Ela é você

Te abraça e te acolhe

Te nutre

Sustenta

Alimenta

Você e ela

São

UM SÓ

 

 

Por isto você é imenso e a sua consciência pode ir a qualquer lugar.

Porque você é Ela.

Ela cabe em seu coração, e você, por inteiro, está no coração dela”.

Agora ouço a voz de todos os xamãs:

“Guerreiros do Arco-Íris

Somos todos nós

Todos nós estamos dentro de você e você está dentro de cada um de nós.

Somos Um

É tempo e já é hora deste grande cristal que somos nós emergir na superfície do corpo da Terra.

Vir à Luz

Renascer

Neste tempo e hora do Tempo, precisamos vir à luz e atuar.

Nossa Mãe, que somos nós, nos parirá.

Estamos emergindo do seu ventre.

Como uma consciência coletiva vamos trabalhar.

Curando e restaurando a luz material e a consciência de Vida, Beleza e Unidade.

Esta viemos restaurar”.

 

Sei que é hora de voltar.

Serafim me diz que aos poucos meus corpos irão aprendendo a se acomodar e a fazer, de forma mais fácil e agradável, a transição entre estes dois mundos que são um só.

A um pensamento confuso meu, sobre irmãos e pais, Serafim responde que ainda não é tempo de tirar grandes conclusões.

“Até que a Iniciação se conclua, não é tempo de conclusões”.

Ri.

Rio também.

Penso: aprender a ser como um rio, que simplesmente está correndo, mas ainda não chegou no mar.

Serafim ri.

 

 

Notas:
*1 – Roncó – quarto sagrado. Onde são recolhidos os iniciados ou iniciantes, que estão na condição de receber ensinamentos. Termo ioruba, que numa tradução literal significa:  ensinando o caminho.
*2 – Pontos – Na tradição afro-brasileira, chamamos de pontos as orações cantadas.
Aqui ouço um ponto, oração cantada para o Orixá Xangô, arquétipo do Reino Mineral.

Autor

O Caminho Espiritual sempre foi meu foco de interesse na vida adulta: estudo, reflexão, meditação, autoconhecimento, crescimento e transformação pessoal. Partilhar o que encontramos nesta jornada também é uma exigência do Caminho. Por isto estou aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *