O Casamento

O Casamento


Organizando e relendo meus escritos para a publicação neste site, me deparo com o registro de uma série de vivências, já totalmente esquecidas por mim que, hoje percebo, anunciavam o que estava por vir.

Alguns meses antes da “Grande Mudança”, comecei a ouvir em minhas meditações: “você vai casar”.

Pensei comigo, que loucura é esta?

Não tinha a menor vontade de casar, e principalmente, não havia nenhum noivo! Rs

Nesta ocasião, foi celebrado o casamento de um jovem casal amigo. Ajudei na decoração do Templo, com muita alegria.

Na meditação seguinte ouvi: “o próximo casamento será o seu”.

Continuei sem entender nada.

Nesta época, trabalhava como médium de passe em uma Casa Espiritual de Umbanda.

A principal entidade que eu recebia, o meu Baba de Ori, como a gente diz, é um Caboclo que vem na linha de Ogum: o sr Ogum Sete Ondas.

Já fazia algum tempo que eu queria oferecer um anel a esta maravilhosa entidade, a quem eu era e sou muito grata.

Minha filha, que não sabia deste meu desejo, me convidou para ir com ela ao ateliê de uma artesã que fazia joias em prata e pedras brasileiras.

Era um passeio. Aceitei o convite.

Lá chegando, bati o olho em um anel, que por suas características, logo percebi: é o anel do sr Ogum!

Sem titubear, comprei.

Saí do ateliê felicíssima! Nem bem sabia por que.

Dia seguinte, sentei para meditar e logo ouvi:

“Hoje é o primeiro dia do resto da sua vida”!

A seguir me foi dito: aquele anel era uma aliança, e o meu casamento estava acontecendo. Estava sendo celebrado naquele momento o meu casamento com a vida espiritual.

Que alegria!

Finalmente eu poderia me dedicar totalmente àquilo que, de fato, vim fazer nesta vida.

Alguns dias depois, pedi ao cambono (pessoa que auxilia uma entidade incorporada) que entregasse o anel ao sr Ogum.

Na época escrevi: “sei que esta aliança, através do sr Ogum, é uma aliança com toda a vida espiritual: com todos os anjos, budas, mestres, guias, e principalmente, com o meu Eu Superior”. *

Dois dias depois, me liga uma amiga, para me dar uma boa notícia: estava comprando a sua casa. Finalmente realizava o sonho da casa própria!

Fiquei muito feliz por ela!

Papo vai, papo vem, ela me descreve o lugar: cercado de natureza, com mata nativa…

Quando eu ouço a palavra MATA, soa um gongo dentro de mim!

Ela percebe o meu interesse e logo diz: tem uma outra casa à venda neste lugar…

… e foi assim que o Ilê de Aroni surgiu em minha vida…

Escrevendo agora este post, pensei, rindo: “quem casa quer casa”!

Por muitos anos usei este anel.

Chegou um momento em que ele começou a pesar em minha mão.

O sr Ogum me mandou um recado: “não precisa mais usar o anel. A aliança já está dentro de você”. Entendi:

o casamento espiritual estava consolidado

 

*Sempre fui ecumênica: budas, anjos, guias, devas, orixás, mestres esotéricos e santos indianos convivem em harmonia no meu altar doméstico e também no meu coração.
Nota: A escolha deste bolo fake para ilustrar este post é uma brincadeira. Aprendi com Serafim a levar as coisas com mais leveza e humor.

Autor

O Caminho Espiritual sempre foi meu foco de interesse na vida adulta: estudo, reflexão, meditação, autoconhecimento, crescimento e transformação pessoal. Partilhar o que encontramos nesta jornada também é uma exigência do Caminho. Por isto estou aqui.

2 comments

  • Agradeço sua Luz ter cruzado meu caminho e qta identificação.
    Parabéns pela Escolha é agradecida serei sempre pela tua Existência.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *